segunda-feira, 31 de março de 2014

Lufthansa cancela 3.800 voos devido à greve de pilotos

Frankfurt - A companhia aérea alemã Lufthansa informou que a greve de três dias de seus pilotos esta semana resultará no cancelamento de 3.800 voos e custará dezenas de milhões de euros.

A paralisação custará dezenas de milhões de euros

A greve ocorre após os pilotos representados pelo sindicato Vereinigung Cockpit votarem na semana passada a favor da paralisação em protesto contra mudanças nos benefícios de aposentadoria.
A greve ocorrerá entre quarta e sexta-feira e afetará as operações de passageiros e também as unidades de carga e de voos regionais.
Pilotos do sindicato se reuniram com a Lufthansa no fim de semana, mas afirmaram que os dois lados não fizeram progresso. O sindicato representa entre 85% e 90% dos 5.400 pilotos da companhia aérea.
Os aeroportos alemães têm enfrentado uma série de greves de diferentes sindicatos nas últimas semanas. Fonte: Dow Jones Newswires.


Aeroporto de Salvador recebe melhorias

Segunda-Feira 31 de Março de 2014
      As novas melhorias entregues pela Infraero neste mês no Aeroporto Internacional de Salvador/Luís Eduardo Magalhães (BA) vão proporcionar mais conforto aos passageiros. Uma nova sala de embarque remoto já está em operação, além de 19 novos banheiros e uma esteira de bagagens mais moderna no desembarque internacional.
      Equipado com cafeteria, sistema de som, ar condicionado e painéis com informação de voo, o embarque remoto – onde não há ponte de embarque – oferece 70 novos assentos e conta, agora, com cinco portões para embarques simultâneos. A área também triplicou de tamanho, passando de 183 m² para 573 m². Quando a obra for totalmente concluída, o espaço será de 891 m², com três portões para embarque doméstico e três para voos internacionais.
Nova-Esteira-Salvador
      Dos 19 novos banheiros, 10 estão na área de embarque, cinco na praça de alimentação e outros quatro banheiros, assim como um fraldário, se encontram no segundo piso. Todas as novas instalações seguem padrões modernos de construção, de acordo com a legislação de acessibilidade vigente, e atendem ao público feminino, masculino, família e pessoas com deficiência.
      Já na área internacional, foi instalada uma esteira mais moderna, permitindo que as bagagens fiquem visíveis e disponíveis ao passageiro todo o tempo, sem retorno à área restrita.

   Assessoria de Imprensa - Infraero

Como a entrada da TAM na oneworld afeta o cliente fidelidade

TAM troca aliança de companhias aéreas Star Alliance pela oneworld; veja o que muda para os passageiros e para os clientes TAM Fidelidade


São Paulo – A partir desta segunda-feira, a TAM passa a integrar a aliança de companhias aéreas oneworld, composta por 15 empresas, além de quase 30 companhias afiliadas, que voam para 150 países.
Anteriormente, a TAM fazia parte da Star Alliance, composta por 26 companhias aéreas, que atendem 193 países.
Com a nova parceria, a TAM ganha 45 novos destinos de viagem, incluindo países inéditos para a TAM, como Austrália, Japão e Rússia. Além disso, terá voos diretos para Miami, Nova York e Londres, os três principais destinos internacionais dos brasileiros.
Os passageiros da TAM passam a contar com todas as tarifas especiais oferecidas pela oneworld, como a tarifa round-the-world (volta ao mundo), a Visit South America e a Visit North America.
Programa de fidelidade
De acordo com a TAM, os 10 milhões de associados do programa TAM Fidelidade manterão todos os seus pontos acumulados até a transição de aliança, além de manterem sua categoria, respeitando as regras do programa.
Ou seja, embora não possam mais usar seus pontos para emitir passagens pelas companhias que fazem parte da Star Alliance, todos eles permanecem válidos e poderão agora ser usados nas companhias aéreas da oneworld, mesmo aqueles que foram obtidos em voos da Star Alliance.
As passagens emitidas em companhias da Star Alliance até 30 de março e que ainda não foram utilizadas também continuam válidas.
Durante o mês de maio, o programa de fidelidade da TAM vai oferecer pontos em dobro para todos os seus membros que voarem com as companhias parceiras da oneworld, em celebração à nova parceria.
Os membros dos programas de fidelidade das empresas integrantes da aliança também receberão pontos ou milhas em dobro ao voarem com a TAM em maio.
Os novos cartões, com a marca da oneworld, já foram enviados e poderão ser utilizados para resgate e acúmulo de pontos em qualquer uma das companhias parceiras da aliança.
Da mesma forma, os 140 milhões de participantes dos programas de fidelidade das companhias parceiras da oneworld poderão acumular pontos ou milhas e resgatar bilhetes, além de aproveitarem todos os demais benefícios da aliança ao voarem com a TAM.
Integrantes da oneworld
Além da TAM, fazem parte da oneworld a American Airlines, a British Airways, a Cathay Pacific, a Qantas, a Finnair, a Iberia, a Japan Airlines, a Royal Jordanian, a S7 Airlines, a airberlin, a Malaysia Airlines, a Qatar Airways, a US Airways e a LAN.

Em 1º de maio, junta-se ao grupo a Sri Lankan Airlines. Além das companhias que são membros da aliança, a oneworld tem aproximadamente 30 companhias afiliadas

lista completa
http://pt.oneworld.com/member-airlines/oneworld-airline-affiliates


AA anuncia avião maior para Copa e reconfiguração dos aviões 777 e 767

A American Airlines anunciou que, a partir do dia 02 de junho ao dia 01 de julho a aeronave 777 200 já começa a operar na rota Rio de Janeiro - Miami. O avião, maior do que o de costume, veio para o Brasil para atender a demanda durante os jogos da Copa do Mundo. "Os Estados Unidos foram o país que mais compraram ingressos para o evento. Ainda não sabemos se esse voo vai atingir as expectativas, mas estamos muito positivos em relação a ele", ressalta Tathiana Campos executiva de contas da American Airlines. Segundo Tathiana os voos para Manaus e Recife, onde ficará sediada a seleção americana e inglesa, já estão lotados.

Outra novidade é a reconfiguração da classe executiva dos aviões 777 e 767. De acordo com Campos, os aviões, que passarão a ter assentos 'lie flat', para maior conforto dos passageiros, ficarão prontos para operar em outubro deste ano.

Chilena Sky estreia em SP e já planeja novo voo

A aérea chilena Sky Airline iniciou ontem (30) a operação no País, onde a partir de agora realiza um voo diário ligando Santiago ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. A companhia chilena trabalha exclusivamente com aeronaves Airbus, 17 ao todo, e os voos para a capital paulista serão operados em A319, com capacidade para 150 pessoas. De acordo com o CEO da companhia, Holger Paulmann, o investimento para a criação da nova rota foi de aproximadamente US$ 4 milhões. Com a entrada do Brasil na malha, já são quatro os destinos internacionais atendidos pela empresa, que também viaja para Argentina, Bolívia e Peru.

“A escolha do Brasil como um novo mercado para nós se deu pela força econômica e o potencial do mercado corporativo brasileiro. O mercado corporativo é nosso maior foco e demanda de negócios em São Paulo é muito grande, por isso apostamos no sucesso da operação”, destacou Paulmann. Segundo ele, o objetivo da Sky Airline é acrescentar mais uma frequência a partir de julho, operando 14 voos semanais entre as duas nações.

METAS
Após iniciar os voos para São Paulo, a empresa já planeja uma expansão para outras cidades brasileiras como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e Curitiba. “Durante este ano, vamos trabalhar na consolidação da rota para São Paulo e, a partir de 2015, estudaremos outros aeroportos brasileiros para novas ligações com Santiago”, informou o CEO.

A expansão da empresa também foca em outros mercados sul-americanos, como Paraguai, Equador e novos destinos na Bolívia, onde opera voos para La Paz. “Em 2013 transportamos cerca de dois milhões de passageiros e a meta até 2018 é ter aproximadamente cinco milhões de pessoas voando conosco. Para isso, pretendemos adicionar mais aeronaves a frota, passando para 23 aviões.

Com Tam, Oneworld quer ser primeira escolha de aliança

Os CEOs das companhias aéreas membros da aliança Oneworld estão reunidos neste momento em São Paulo, no hangar 7 da Tam, para celebrar a entrada da companhia aérea brasileira na aliança. Como empresa aérea líder da maior economia da América Latina, a entrada da Tam representa um marco significativo na jornada da Oneworld para estabelecer-se como a primeira escolha de aliança de viajantes internacionais no mundo todo.

“Estamos muito contentes em receber a Tam e seus clientes na principal aliança aérea no mundo”, afirmou o CEO da aliança, Bruce Ashby. Além dele, participam da cerimônia 15 presidentes e CEOs de companhias aéreas, entre elas a SriLankan Airlines, que entrará na aliança em 1º de maio, e a diretoria da Tam liderada pelo presidente da Tam S.A, Marco Antonio Bologna, e pela presidente da empresa, Cláudia Sender. A Tam até então participava da Star Alliance.

Também está sendo apresentada oficialmente a primeira aeronave da companhia aérea com a pintura do logo da Oneworld, aliança que já conta com nomes como American Airlines, British Airways, Iberia e Lan.

Tam deixa Star Alliance e passa a integrar aliança oneworld

A partir de hoje, a Tam deixa de pertencer à rede Star Alliance e passa a integrar a oneworld, aliança que tem a chilena Lan como uma de suas fundadoras e é formada por treze companhias aéreas, incluindo American Airlines, British Airways e Iberia. A saída da companhia aérea da Star Alliance decorre de uma exigência do órgão de defesa da concorrência chilena, que impôs como uma das condições para aprovar a fusão Lan e Tam que elas passassem a integrar uma única aliança. 

Agora, quem voar nas companhias parceiras da oneworld já pode acumular pontos no Tam Fidelidade e quem tem pontos no Tam Fidelidade pode emitir bilhetes para as companhias da aliança oneworld. A Tam conseguiu manter acordos bilaterais com 11 das 27 parceiras que tinha na Star Alliance, são elas: Air Canada, Air China, ANA, Austrian, Brussels Airlines, Lufthansa, Shenzhen Airlines, Singapore Airlines, South African Airways, Swiss e Turkish Airlines. Os clientes do Tam Fidelidade poderão acumular e resgatar pontos ou milhas ao voarem nessas companhias da Star Alliance. O mesmo vale para associados dos programas de fidelização dessas companhias, que poderão acumular e resgatar pontos ou milhas com a Tam. O acordo com as empresas da Star Alliance, porém, tem algumas restrições. Eles não valem, por exemplo, para o "upgrade" da categoria. Para isso, é preciso acumular pontos com parceiros da oneworld.  

Gol quer retomar voos ligando o Brasil a Santiago, no Chile

A segunda maior empresa aérea do Brasil em participação de mercado informou em comunicado que irá solicitar as aprovações necessárias para retomar a rota em julho de 2014.
Na semana passada a Gol informou que planeja elevar sua oferta de voos internacionais em até 8 por cento, com o aumento de frequências já existentes e criação de novas rotas.
Desde então, a empresa já anunciou ter feito uma solicitação formal à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar voos regulares entre Campinas (SP) e Miami, nos Estados Unidos.

Avianca do Brasil vai ocupar rapidamente o lugar da TAM na Star Alliance.

Depois que a TAM Linhas Aéreas marcou, em 1º de outubro do ano passado, a data para sua saída da Star Alliance e entrada na oneworld, que acontece oficialmente hoje em São Paulo (veja Hot News anterior), a candidata nacional natural paraentrar na Star Alliance é a Avanca Brasil. Em 21 de junho de 2012, a Avianca, a Taca (já sob controle da AviancaTaca Holdings S.A.) e a Copa Airlines entraram na Star Alliance. O próprio presidente da Avianca, José Efromovitch, sempre afirmou que a entrada da Avianca Brasil na Star Alliance seria um passo natural, mas que ainda dependia de um fator: a compatibilização dos sistemas internos da companhia com os da aliança aérea e os de seus membros. Esse problema deixou de existir neste final de semana, com a implantação de novos sistemas na Avianca, totalmente adequados e amigáveis com os da Star Alliance. Assim, com a saída ontem da TAM da aliança e resolvidos os problemas tecnológicos, o anúncio da entrada da Avianca Brasil na Star Alliance deve ser uma questão de dias. Ou de horas.

domingo, 30 de março de 2014

Video Lufthansa Boeing 747-800

B747-8 da Lufthansa faz voo inaugural no País; fotos

Pousou neste domingo, às 5h50, na pista do Aeroporto de Guarulhos, vindo de Frankfurt (Alemanha), o Boeing 747-8 da Lufthansa, o segundo maior avião de passageiros do mundo. Seis metros maior do que o antigo 747-4, que será usado na rota ligando Rio de Janeiro-Frankfurt, o avião apresenta características diferentes (e melhores) do seu antecessor.

O B747-8i conta oito assentos na Primeira Classe (o mesmo do 747-4); 80 na executiva (no 747-4 são 66), sendo 32 no upper deck; e 298 assentos na econômica (contra 278 na antiga aeronave). Com a mudança, a Lufthansa ganha cerca de 10% a mais de assentos.

“Quanto mais jovem a aeronave, mais eficiente ela é. Além disso ela é mais econômica e mais ecológica. Quem voa com frequência vai reparar que ela é mais silenciosa. São 30% a menos de ruído”, garante a diretora da Lufthansa, Annete Taeuber, que apresenta na segunda-feira o novo avião para a imprensa.

O B747-8 foi lançado pela Boeing em 2012. A Lufthansa foi a primeira empresa a fazer encomendas e já garantiu 18 unidades. Até o momento, a fabricante já comercializou 66 aeronaves do mesmo modelo, entre aviões para passageiros (B747-8i), cargueiros (747-8F) e jatos executivos.

Das 18 unidades encomendadas, 11 estão em operação. A rota Frankfurt - São Paulo foi a 11ª a entrar em operação. Entre os motivos alegados para aumentar a oferta da rota e trazer uma nova aeronave está o fato de São Paulo ser a cidade que mais reúne empresas e indústrias alemã fora da Alemanha.

“Esta rota é muito rentável para a empresa e como há muitas indústrias temos um número elevado executivos viajando com a gente”, comemora Annette.

Para receber uma aeronave do porte do B747-8i o Aeroporto de Guarulhos precisou cumprir uma série de exigências. Hoje, somente Guarulhos tem permissão para receber uma aeronave deste tipo.

VOO INAUGURAL
O LH506 partiu pontualmente de Frankfurt, às 22h. A viagem até São Paulo, 12h de voo, transcorreu com tranquilidade. Com exceção de ser um equipamento 100% novo (e “cheirando a novo”), as configurações desta aeronave se parecem com o antigo 747-400. A diferença mais “visível” não está no visual, mas nos sentidos. O 747-8 é muito mais silencioso do que outras aeronaves da Boeing, o que para um voo noturno faz muita diferença.

Avião é poucos metros maior do que seu antecessor, o B747-400

... e todos os produtos que vem em seu interior

 Necessaire entregue aos passageiros da business class....
 Drink de boas vindas pode ser com champanhe, vinho ou suco
 Sistema de entretenimento conta com filmes novos e os fones de ouvidos são da marca Bose, considerada uma das melhores do mundo

 Na business class são 80 assentos, sendo 32 no upper deck

Refeição é dividida em três pratos: entrada, como este da foto, prato principal e sobremesa


fonte:panrotas

sábado, 29 de março de 2014

Pilotos da Lufthansa farão greve na próxima semana

Moscou - Os pilotos da companhia aérea alemã Lufthansa convocaram uma greve de três dias para a próxima semana para exigir melhores benefícios e pagamentos. A greve é mais uma de uma série que vem prejudicando as operações da companhia e gerando problemas para os passageiros na Alemanha.

Uma semana depois de votarem majoritariamente a favor de uma ação industrial, os pilotos representados pelo sindicato Vereinigung Cockpit farão uma greve entre quarta e sexta-feira nas operações de passageiros e também nas unidades de carga e de voos regionais.
A Lufthansa e os aeroportos da Alemanha têm sido afetados por várias greves de diferentes sindicatos durante as últimas semanas.
Em fevereiro, uma greve de funcionários de segurança afetou o tráfego no aeroporto Internacional de Frankfurt e custou à Lufthansa cerca de 3 milhões de euros (US$ 4,1 milhões).
Aeroportos regionais também foram prejudicados por greves menores no mês passado. Ontem foi a vez de funcionários em terra da Lufthansa fazerem uma greve que forçou a companhia a cancelar 600 voos.
A Lufthansa afirmou que está aberta a negociações para evitar a greve e limitar os prejuízos. "Nós ainda temos quatro dias e meio para prevenir a inconveniência que a greve causaria a nossos clientes", declarou Bettina Volkens, membro do conselho da empresa.
O sindicato de pilotos afirmou que se reuniu com a Lufthansa algumas vezes nos últimos dias, mas não houve um progresso construtivo. Uma proposta feita ontem pela companhia foi rejeitada.
O Vereinigung Cockpit representa entre 85% e 90% dos 5,4 mil pilotos que trabalham para a Lufthansa e suas unidades de carga e de voos regionais.
Há dois anos a Lufthansa e o sindicato discutem por causa dos pagamentos aos pilotos e mudanças recentes nas pensões e nos benefícios para aposentados ampliaram as divergências.

O sindicato criticou as mudanças e exige um aumento salarial de 4,6% pelo ano entre maio de 2013 e abril de 2014 e um aumento retroativo de 5,2% pelo ano anterior, de março de 2012 a abril de 2013. Fonte: Dow Jones Newswires.

Boeing inicia a expansão do centro de entrega comercial do 737

A fabricante norte-americana Boeing iniciou a expansão do centro de entrega comercial do 737 localizado em Seattle. O projeto duplica o espaço a ser disponibilizado para clientes e grupos, apoiando o aumento nas entregas do modelo. O espaço expandido terá mais de 8.360 metros quadrados e incluirá um novo prédio de três andares, além de novas áreas de entrega e partida com três fingers cobertos. A produção do 737 deve aumentar para 42 aeronaves por mês em abril próximo e para 47 aeronaves por mês em 2017, o que representa um aumento de quase 50% na produção desde 2010. As entregas do 737 MAX também começarão em 2017, no local ampliado. A empresa tomou medidas para garantir a continuidade das entregas do jato aos clientes durante a construção, incluindo a demolição de um prédio. A expansão do local está prevista para terminar em meados de 2015.

United amplia operações entre Houston e Tóquio

A companhia aérea United Airlines anunciou que vai disponibilizar um segundo voo diário sem escalas de Houston para Tóquio a partir de 30 de março próximo. A nova operação será feita com com aeronaves Boeing 777-200 configuradas com 267 assentos em duas classes. O voo partirá do Aeroporto Bush Intercontinental às 9h00 e chegará ao Aeroporto Internacional de Narita às 12h35 do dia seguinte. A operação de retorno decolará de Tóquio às 18h55 e posará em Houston às 16h55 do mesmo dia.

Avianca AIRLINES HOLDINGS transportou 4 milhões de passageiros

Nos dois primeiros meses de 2014, as controladas da Avianca Holdings SA (NYSE: AVH) (BVC: PFAVH) (*) 4'076 0,087 mobilizou passageiros, registrando um aumento de 2,4% em relação ao mesmo período de 2013. Capacidade, medida em ASK (assentos disponíveis por quilômetro voado) aumentou 5,2%, enquanto que o tráfego de passageiros medido em RPK (passageiros por quilômetro voado pagamento) cresceu 1,6%. Como resultado, o fator de carga para o período janeiro-fevereiro foi de 79,4%.

Enquanto isso, em fevereiro, as controladas da Holdings Avianca mobilizou 1'909 .016 passageiros, um aumento de 2,3% para o número de passageiros no mesmo mês de 2013. Este mês, a capacidade, medida em ASK (assentos disponíveis voado km) aumentou 6,0%. Enquanto isso, o tráfego de passageiros medido em RPK (passageiro-quilômetro voado pagamentos) cresceu 1,5%. Os factores de utilização foi de 77,3%.

Os mercados domésticos da Colômbia, Peru e Equador
O número total de passageiros que utilizam as empresas Avianca Holdings na Colômbia, Peru e Equador, nos dois primeiros meses do ano foi de 2'370 .042, 4% superior ao registrado no mesmo período de 2013. A capacidade (ASK) nestes mercados aumentaram 7,3%, enquanto o tráfego de passageiros (RPK) aumentou 4,5%. Como resultado, o fator de ocupação ficou em 77,4%.

Em fevereiro, ligado a Avianca Airlines Holdings transportados para esses mercados 1'132 .406 de rating, 4% superior ao registrado em fevereiro de 2013. A capacidade (ASK) aumentou 5,6% neste mês, enquanto que o tráfego de passageiros (RPK) aumentou 3,9%. Como resultado, a média de ocupação dos vôos ficou em 77,6%.

Mercados internacionais  
Em janeiro-fevereiro de 2014, o número de passageiros que utilizam as companhias aéreas do grupo em rotas internacionais somaram 1'706 .045, 0,1% superior ao registrado no mesmo período de 2013, figura. A capacidade (ASK) cresceu 4,7% eo tráfego de passageiros (RPK) aumentou 0,9%. Média de ocupação nas rotas internacionais nos dois primeiros meses do ano para 79,9% ACENDIO.

Em fevereiro, as companhias aéreas Avianca integradas realizadas 776.610 passageiros Holdings em rotas internacionais. A capacidade (ASK) aumentou 6,1%, enquanto o tráfego de passageiros (RPK) aumentou 0,9%. Os factores de utilização foi de 77,3%.

Tráfego aéreo é recorde no mês de fevereiro

GOL foi a empresa que mais transportou passageiros no mercado doméstico, seguida pela TAM e pela Azul

São Paulo - As companhias aéreas nacionais transportaram em fevereiro 7,3 milhões de passageiros, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O volume é 14,4% maior que o de fevereiro de 2013 e foi o maior para o mês nos últimos dez anos.
A GOL foi a empresa que mais transportou passageiros no mercado doméstico em fevereiro de 2014, com 2,69 milhões, seguida pela TAM, com 2,39 milhões, e pela Azul, com 1,56 milhão.
A Anac também divulgou dados de tráfego de passageiros. A demanda, medida em passageiros transportados por quilômetro, cresceu 11,2% no mercado doméstico no mês passado, na comparação com fevereiro de 2013. "Esse é o maior índice em dez anos para o mês de fevereiro", disse a Anac, em nota.
Já a oferta, medida em assentos oferecidos por quilômetro, diminuiu 0,4% no período. Com isso, a taxa de aproveitamento das aeronaves nos voos domésticos foi recorde para o mês de fevereiro nos últimos dez anos, de 80,5%, uma melhora ante os 72,03% reportados no mesmo mês de 2013.
Os sócios da consultoria Pezco Microanalysis, Frederico Turolla e Cleveland Prates Teixeira, avaliam que a antecipação de calendário de negócios e a estratégia comercial das empresas aéreas, com a realização de promoções, explicam a expansão. Mas apontam que a base de comparação fraca de fevereiro de 2013 também colabora com um crescimento mais acelerado. "Notamos uma concentração da realização de feiras e eventos corporativos em função dos megaeventos", disse Turolla.
A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) também já havia apontado que a realização antecipada de eventos estaria influenciado o desempenho das empresas, uma vez que mais de 60% das viagens são feitas por motivo de negócios. "Percebemos uma demanda aquecida, é possível que haja uma reprogramação de compromissos do público corporativo, que está adiantando reuniões e eventos que poderiam acontecer durante a Copa ou no período eleitoral", acrescentou.
Os dados da Anac apontam a Avianca como a empresa que apresentou o maior crescimento da demanda, de 34,4% em relação a fevereiro do ano passado, enquanto a GOL registrou aumento de 19,5%. A Azul, descontando o efeito da fusão com a TRIP, cresceu 10,9%, na mesma comparação. Já a TAM se manteve praticamente estável, com aumento de 0,5% em fevereiro deste ano.
"A TAM foi a única empresa que apresentou redução da oferta de assentos, registrando 7,7% em fevereiro de 2014, quando comparada a fevereiro de 2013", acrescentou a Anac. Além dessas quatro empresas, os dados da Anac também consideram os números de aéreas de menor porte, como MAP Linhas Aéreas, Passaredo, Sete e Total. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.


ANA confirma sucesso do A320neo família no Japão

ANA Holdings selecionou 30 novas aeronaves A320 neo Família (sete A320neo e 23 A321neo) como parte da estratégia de renovação da frota da All Nippon Airways. A decisão segue uma avaliação completa.
Stephane Ginoux, presidente da Airbus Japão, disse: "Estamos muito felizes em dar um novo começo para a nossa relação já próspera com a ANA e muito felizes em recebê-los como nosso primeiro cliente NEO no Japão. Ao selecionar a nossa mais nova aeronave, a ANA está a investir no melhor da sua classe, garantindo excelente conforto de cabine, bem como a eficiência operacional para o seu futuro ". 
O Japão tem sido por muito tempo na vanguarda da aviação comercial e hoje ocupa a posição de sexto maior país do mundo em termos de frota de aeronaves em serviço (no segmento de 100 assentos acima). Há cinco cidades do Japão com cada um mais de um milhão de passageiros por mês, sublinhando como as viagens aéreas crítico é a infra-estrutura de transportes do país.
O A320neo - para "opção de motor novo" - incorpora as últimas inovações da Airbus, incluindo mais recentes motores de geração e grandes dispositivos de ponta de asa Sharklet, que, juntas, oferecem 15 por cento na economia de combustível. O primeiro vôo A320neo terá lugar no 4 º trimestre de 2014 e entrará em serviço no 4 º trimestre de 2015. Com um total de mais de 2.600 ordens recebidas de mais de 50 clientes desde o seu lançamento em 2010, a Família A320neo conquistou cerca de 60 por cento do mercado, demonstrando claramente a sua liderança.
Com esta nova ordem, todos os membros de mais famílias Airbus aeronaves estão agora representados no Japão (neo A320 e ceo, A330, A350, A380). Todos Airbus família de aeronaves comerciais será operado pelas companhias aéreas japonesas em 2020.

Primeiro A380 para Asiana Airlines brilha em uniforme completo

O primeiro A380 para a Asiana Airlines foi rolada para fora da oficina de pintura da Airbus em Hamburgo, marcando a conclusão de sua pintura. A aeronave terá, então, a conclusão de sua cabine e entrar em uma fase final de testes em solo e em voo em Hamburgo, durante o qual todos os sistemas de cabine serão completamente testados, incluindo o fluxo de ar e ar condicionado, iluminação, cozinhas, banheiros, assentos e em voo sistemas de entretenimento.Em paralelo, a Airbus também vai realizar testes de desempenho avançado com a aeronave antes que ela voa de volta a Toulouse para a preparação da sua entrega à companhia aérea no segundo trimestre deste ano.
Asiana Airlines tem pedidos firmes para seis A380 e vai operar a aeronave de Seul inicialmente nos serviços regionais na Ásia, seguido por rotas de longa distância para os EUA.



LAN e TAM revelam novo design para suas cabines de excelência internacional

Com o objetivo de proporcionar uma nova experiência aos seus passageiros, LAN e TAM, membros do Grupo LATAM, apresentaram os projetos de suas novas cabines.  


As seguintes aeronaves já apresentam o novo design: o modelo Airbus A320 da LAN, que atualmente realiza voos dentro do Chile, e o Airbus A321 da TAM, que está realizando voos dentro do Brasil.

Todas as novas aeronaves de curta distância (modelos Airbus A320 e A321) do Grupo LATAM Airlines contarão com novos assentos, proporcionando aos passageiros mais espaço e comodidade.

O revestimento dos assentos das cabines de curta distância foi concebido em quatro cores e dois tipos de textura de couro, enquanto o revestimento dos assentos de longa distância é de tecido, proporcionando maior comodidade e sensação de acolhimento para viagens mais longas.

A partir de 2015, serão incorporadas as novas aeronaves de longa distância Boeing 787-9 e Airbus A350-900, que contam com 2 tipos de cabines, Economy e Premium Business, que também terão nova aparência.
As cabines unificadas da LAN e da TAM são uma amostra concreta da fusão entre as duas companhias aéreas. A nova proposta foi inspirada nas cores e texturas da região, e pretende refletir um equilíbrio entre a paixão da cultura da América do Sul e a elegância dos tons naturais.
Jerome Cadier, Vice-Presidente de Marketing do Grupo LATAM, destacou: “Esperamos que nossos passageiros possam continuar desfrutando da experiência de voar com a LAN e a TAM, que compartilhem da nossa paixão por voar e por fornecer um serviço de excelência”.
O projeto foi desenvolvido em conjunto com a renomada consultora internacional de design PriestmanGoode, que possui ampla experiência nas indústrias aeronáutica, ferroviária, hoteleira, entre outras.

Com o novo design dessas cabines, LAN e TAM fortalecem sua presença internacional, tornando-se parte e protagonistas do sucesso e dos atrativos desta região no contexto mundial.

modelos Airbus A320 e A321








Boeing 787-9 e Airbus A350-900











Embraer entrega primeiro E-Jet à SkyWest Inc.

A Embraer entregou nesta quinta-feira, dia 27, em cerimônia na sede da Empresa, em São José dos Campos, o primeiro jato E175 à SkyWest Inc. (SkyWest), baseada em Utah, nos Estados Unidos. Esta aeronave faz parte do pedido firme assinado pela empresa aérea para 40 jatos E175. A SkyWest Airlines vai operar os aviões para a United Airlines sob a marca United Express. Os E175 estão configurados em duas classes de serviço, com 76 assentos. 

O contrato prevê ainda outros 60 pedidos firmes reconfirmáveis, condicionados à assinatura de novos acordos de compra de capacidade (CPA-Capacity Purchase Agreement, em inglês) por parte da SkyWest com empresas aéreas dos EUA. Além disso, estão contempladas opções para mais 100 jatos E175, elevando o potencial total do pedido para até 200 aviões.

Em um acordo adicional com a Embraer, a SkyWest tornou-se o cliente-lançador do jato E175-E2, encomendando 100 aviões com outras 100 opções adicionais, com entregas começando em 2020.

A SkyWest é o maior grupo aéreo regional do mundo e controla a SkyWest Airlines e a ExpressJet Airlines. Ambas as companhias aéreas têm uma longa história com a Embraer e foram algumas das primeiras clientes do turboélice EMB 120 Brasilia. Mais de 40 aviões deste modelo continuam voando nas rotas da SkyWest Airlines, principalmente no oeste dos Estados Unidos. A ExpressJet Airlines opera 251 aeronaves da família ERJ 145 e é a maior operadora do modelo no mundo.

Como líder no segmento de jatos de 70 a 130 assentos, a Embraer continua a investir na família de E-Jets, atualmente utilizada por cerca de 65 companhias aéreas de 45 países.


O baú de denúncias de Denise Abreu




Ex-diretora da Anac reforça acusação contra a ministra Dilma com documentos - encaminhados ao Banco Central e à Receita - e envolve o advogado Roberto Teixeira como peça-chave na venda da Varig

HUGO MARQUES
ROBERTO CASTRO AG ISTO E. 
PETARDOS Mais de dez mil laudas de documentos foram mostradas por Denise Abreu na Comissão de Infra-Estrutura do Senado
No período de um ano e cinco meses em que ocupou o cargo de diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu guardou quatro malas de documentos. Na quarta-feira 11, ela desembarcou em Brasília com uma dessas malas e a abriu ao prestar depoimento na Comissão de Infra-Estrutura do Senado. O que se viu nas mais de dez mil laudas foi a comprovação documental do que Denise pediu várias vezes, mas não conseguiu: informações do próprio governo para tentar jogar luz no nebuloso processo de venda da Varig. Ela acusa a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e a secretária- executiva, Erenice Guerra, de fazerem pressão sobre a Anac para vender a Varig ao fundo americano Matlin Patterson sem checar a origem do capital dos três sócios brasileiros, que receberam o dinheiro emprestado do próprio fundo. Mas, no seu depoimento, Denise abriu uma nova frente de denúncia: o tráfico de influência que o compadre do presidente Lula, o advogado Roberto Teixeira, teria exercido sobre a Anac. "Sem dúvida nenhuma, as ingerências praticadas e a forma como o escritório Teixeira Martins atuou na Anac são imorais e podem gerar ilegalidades", disse Denise. "Éramos tratados pelos membros desse escritório de forma absolutamente desrespeitosa."
Em mais de cinco anos de governo, o presidente Lula, que morou numa casa emprestada por Teixeira por nove anos, sem pagar um tostão de aluguel, nunca tinha dado tantas demonstrações de incômodo com um depoimento de um ex-membro da administração federal. No momento em que Denise abria sua mala azul, o presidente reclamava que as críticas da ex-diretora eram uma resposta ao "favoritismo" da ministra Dilma em 2010. Na quintafeira 12, Lula voltou a atirar em Denise:
"Eu gostaria de saber o que aquela moça fez lá ontem, durante oito horas. Eu, sinceramente, não sei. Eu não assisti. Mas o que eu percebi é que o resultado é como se você espremesse uma laranja que não tivesse caldo", ironizou Lula. "Só Freud explica tudo aquilo lá." O ministro da Comunicação, Franklin Martins, também fez pouco caso: "O Executivo não tomou nenhuma decisão, elas foram do Judiciário. O resto é lero-lero". Na verdade, não há motivo nenhum para pilhéria, pois não falta conteúdo às acusações da ex-diretora e também saltam aos olhos as pressões exercidas pelo advogado Roberto Teixeira, que comemorou no gabinete do presidente da República o cheta, a autorização para a Varig voar.
ZECA CALDEIRA/AG. ISTOÉ 
Sem marcar audiência
Roberto Teixeira tinha encontros com o presidente 
e agia "como um ministro"
Os documentos provam que Denise enviou ofícios até para o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o secretário da Receita, Jorge Rachid, sempre em busca da origem do dinheiro da compra da Varig. Em 28 de abril de 2006, Denise encaminhou pedido à VarigLog para que os sócios apresentassem documentos comprovando a idoneidade financeira da empresa. Em 5 de fevereiro de 2007, foram enviados outros dois ofícios: um para o BC e o outro para a Receita. Em ambos, Denise pede informações sobre a Volo Brasil e sobre a origem dos recursos da empresa.
Após o depoimento da ex-diretora, a base de sustentação do governo no Congresso se mobilizou para evitar a convocação de Teixeira. O presidente da Comissão, senador Marconi Perillo (PSDBGO), avisou que não abre mão da presença do compadre de Lula esta semana no Senado. O líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), quer aprovar requerimento para pedir aos ministérios registros de visitas de Teixeira. "Tem material para CPI", diz Virgílio. Os senadores aguardam ansiosos o depoimento do empresário paulista Marco Antônio Audi, que entrou na sociedade com o Matlin, um fundo tido como "abutre", que compra empresas em dificuldades e as revende com lucros. Audi contou à ISTOÉ detalhes sobre o poder de seu advogado Teixeira, que segundo ele ligava para os ministros e em seguida os visitava, sem pré-agenda, e sempre entrava pela porta privativa. "O Teixeira usa da amizade, usa o nome do presidente e o da ministra Dilma para abrir portas", diz Audi. "Era o Teixeira quem marcava e dizia que era importante ir naquele ministro. Fomos ao Waldir Pires (ex-ministro da Defesa), ao Marinho (ex-ministro da Previdência). Eu não pedi audiência nem com o Lula nem com a Dilma. Estive com a ministra Dilma duas vezes e foi o Teixeira quem marcou."
Audi diz que no dia 15 de dezembro de 2006 ele ficou impressionado com o poder de Teixeira, semelhante "ao de um ministro". No dia 14, a nova Varig tinha recebido da Anac o cheta, autorização para voar. Na manhã seguinte, Audi recebeu um telefonema do advogado. "O Teixeira me avisou no próprio dia, de manhã, que ele marcou, naquele mesmo dia, um encontro com o Lula. Tive de alugar um avião às pressas para ir a Brasília." O empresário confirma pressões sobre funcionários da Anac: "O Teixeira falava o seguinte: 'Pode deixar que da Anac eu tomo conta'. Ele foi peça importante para que as autorizações saíssem. Como ele ameaçava, se ameaçava, não posso dizer." Em nota à imprensa, Teixeira rebate as acusações e afirma que Denise "tenta distorcer a cronologia e a verdade dos fatos de forma vergonhosa".
A versão do empresário é coerente com o depoimento de Denise. "A pressão era exercida sobre a segurança operacional da Anac para agilizar documentação do escritório do Teixeira", contou Denise. A partir de 2006, segundo ela, os diretores da Anac começaram a ser chamados à Casa Civil. Em uma das reuniões, foram oito horas de pressão de Erenice Guerra. Um dos motivos, diz a ex-diretora, eram as três exigências da Anac para fechar o negócio. Denise exigiu dos sócios brasileiros as declarações de renda, explicações sobre a entrada de capital externo na operação e eventual contrato mútuo. Havia denúncia do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas de que o aporte de capital estrangeiro era maior que o autorizado. "Me foi dito que eu estava extrapolando", diz Denise. A Anac dava demonstrações públicas de que queria investigar a fundo o negócio, pois numa ata de maio de 2006 determinava a confecção de convênio com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, que investiga lavagem de dinheiro. Se o Coaf tivesse sido acionado, a venda da Varig ao fundo Matlin Patterson certamente não teria sido realizada.
AG. ISTOÉ 
O ex-sócio do Matlin
Os senadores agora querem ouvir o que 
Marco Antônio Audi tem a dizer
Para Denise, a maior pressão do governo e do escritório de Teixeira ocorreu em 23 de junho de 2006, para aprovar a venda da VarigLog para a Volo do Brasil, que permitiria posteriormente a compra da Varig. A ex-diretora da Anac avisou que não poderia votar porque havia contra si uma representação da VarigLog no Ministério da Defesa, feita pelo escritório de Teixeira. O então presidente da Anac, Milton Zuanazzi, havia convocado toda a diretoria e teria recebido telefonemas da Casa Civil para que o negócio fosse fechado. Zuanazzi então avisou o escritório de Teixeira sobre a impossibilidade de votação, enquanto permanecesse a representação contra a diretora. No mesmo dia, às 16h20, a representação foi retirada. Às 22 horas, a Anac redigiu a ata, aprovando o negócio. Zuanazzi negou a existência da representação, mas um ofício assinado pela advogada Adriana Marubayachi Angelozzi pede justamente o arquivamento dessa representação.
O procurador da Anac, João Ilídio, diz Denise, estava internado no hospital e foi convocado às pressas pela equipe de Dilma para redigir novo parecer, desta vez abrindo mão da apresentação dos documentos dos sócios brasileiros para comprovar origem do capital. O governo queria vender a Varig de qualquer forma.

fonte:istoe

sexta-feira, 28 de março de 2014

Aeroportos no DF e CE tiveram pousos de emergência



Dois aviões da Avianca realizaram pousos de emergência na tarde desta sexta-feira (28), um em Brasília (DF) e outro em Fortaleza (CE). Nos dois casos, dados preliminares indicam que não houve vítimas ou feridos.
O pouso no Aeroporto Internacional de Brasília/Juscelino Kubitschek ocorreu às 17h43 e a pista continuava interditada no início da noite. A assessoria de imprensa do aeroporto (que recentemente foi concedido à Inframérica) informa que todos os passageiros já foram retirados da aeronave e os procedimentos de segurança foram adotados. Bombeiros foram acionados e foi lançada espuma na pista, como medida de segurança.
À bordo da aeronave estavam 44 passageiros e 5 tripulantes.  Mas ainda não há informações se há feridos. O voo era oriundo de Petrolina (PE) e enfrentou problemas no trem de pouso. Como o aeroporto de Brasília tem duas pistas aptas para pousos e decolagens, as operações estão sendo realizadas na pista que está desobstruída. O fluxo de chegadas e saídas de aeronaves não teria sido prejudicado.
O avião teve uma pane no trem de pouso dianteiro e ao pousar raspou a fuselagem da frente na pista. No entanto, não houve impacto na pista, de acordo com a FAB (Força Aérea Brasileira). 
No caso de Fortaleza, foi solicitado que o aeroporto se preparasse para uma situação de emergência, mas a aeronave conseguiu pousar normalmente às 15h46, informa a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o terminal. Não havia passageiros nesse voo, apenas tripulação que estava sendo deslocada para a capital cearense.
Sobre o acidente em Brasília, o presidente da Avianca, José Efromovich, disse, em entrevista à "Globo News", que a aeronave estava com a manutenção em dia. "Vamos verificar o que pode ter causado o problema no trem de pouso", afirmou. 
*Com informações do UOL em São Paulo