quinta-feira, 23 de outubro de 2014

TAP foi a campeã de ocupação dos voos internacionais de e para o Brasil


A TAP foi a companhia aérea com voos internacionais de e para o Brasil que teve a melhor taxa de ocupação no ano de 2013, ao atingir 85,2%, 5,6 pontos acima da média de todas as operadoras, de acordo com o Anuário publicado pela ANAC, autoridade brasileira da aviação comercial.


A publicação indica que a taxa média de ocupação dos voos internacionais de e para o Brasil foi no ano passado de 79,6% e que “entre as quatro maiores empresas do segmento, a portuguesa TAP e a brasileira TAM apresentaram as maiores taxa de aproveitamento em voos internacionais com origem ou destino no Brasil em 2013, com taxas de 85,2% e 80,0%, respectivamente”.
O Anuário confirma a TAP como a maior empresa europeia em voos de e para o Brasil, tanto em capacidade (em ASK = lugares x quilómetros voados) como em tráfego (em RPK = passageiros x quilómetros voados).
Em capacidade a TAP teve 8,7% do total disponível em todos os voos internacionais de e para o Brasil, apenas atrás da brasileira TAM, com 20,4%, e da American Airlines, com 10,6%.
Em tráfego, a quota da TAP foi de 9,3%, apenas atrás da TAM com 20,5%, e da American Airlines, com 10,1%.
Em “passageiros pagos transportados” em voos internacionais, a TAP foi a primeira europeia e quarta maior de todas as nacionalidades em 2013, com uma quota de 8,1%, apenas atrás da TAM, com 23,1%, da American, com 9%, e da GOL, com 8,3%, mas com um decréscimo em 0,4%, enquanto a American teve +18,4%, a TAM, +6%, e a GOL, +3,1%.
De acordo com o Anuário, 2013 foi um ano em que a capacidade aérea em ligações internacionais de e para o Brasil cresceu 3,9%, com +7,4% em empresas brasileiras e +2,9% em companhias estrangeiras.
Em número de “passageiros pagos transportados” em voos internacionais foram 19,227 milhões, +3,2% ou mais 597,6 mil que em 2012.
A origem/destino líder manteve-se os Estados Unidos, com 4,946 milhões, +15,1% ou mais 649 mil que em 2012, à frente da Argentina, com 2,823 milhões, (-0,1% ou menos 3,3 mil).
Portugal manteve-se a 3ª origem destino, com 1,568 milhões, em queda relativamente a 2012 (-0,1% ou 865), mas menor que a verificada com os outros dois mercados europeus mais importantes, que são França e Alemanha.
Os voos de e para França tiveram uma queda dos “passageiros pagos transportados” em 0,8% ou 7,6 mil, para 951,1 mil, e nas ligações com a Alemanha a queda foi de 4,4% ou 36,2 mil, para 792,6 mil.
Igualmente com quedas estiveram as quarta e quinta maiores origens/destinos europeias, Espanha, com -2,9% ou menos 22,5 mil, para 767 mil, e Reino Unido, com -3% ou menos 18 mil, para 574,3 mil.
Os dados da ANAC permitem calcular que em número de passageiros
Em RPK, o tráfego internacional de e para o Brasil cresceu 3,8% no ano passado, com +3,4% em companhias estrangeiras e +5,1% em brasileiras.
A TAP, segundo o Anuário, teve em RPK uma queda do tráfego de e para o Brasil no ano passado em 1%, enquanto a TAM e a American tiveram crescimentos, respectivamente em 2,8% e em 17,9%. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário