quarta-feira, 4 de maio de 2016

Gol com dívidas na ordem de R$ 9 bilhões tenta renegociar com a Delta em proposta permuta US$ 780 mi em dívida


(Bloomberg) -- A Gol Linhas Aéreas pode conseguir um certo alívio nas obrigações que tem com a investidora Delta Air Lines e está buscando prorrogar o vencimento de R$ 1,05 bilhão (US$ 300 milhões) em debêntures como parte de suas iniciativas para melhorar suas finanças com a piora da recessão em seu mercado doméstico.
A Gol também está buscando mais R$ 300 milhões em crédito, disse a empresa em um comunicado, nesta quarta-feira, um dia depois de anunciar uma oferta de permuta de títulos de dívida denominados em dólares, totalizando US$ 780 milhões, por novos títulos com vencimento na próxima década.
A Delta, que possui uma participação de 9,5 por cento na Gol, concordou em reduzir o excesso de garantia a ser mantido pela empresa brasileira como parte da garantia concedida pela empresa aérea americana para um empréstimo a termo de US$ 300 milhões tomado no ano passado. O acordo com a Delta depende do sucesso da nova oferta de permuta de dívida da Gol.
A Gol, segunda maior empresa aérea do Brasil em participação de mercado, informou que está negociando com o Banco do Brasil e o Bradesco, titulares do montante de R$ 1,05 bilhão em debêntures, a renúncia (ou "waiver") de determinadas obrigações financeiras por um ano e a prorrogação do vencimento de 90 por cento do valor de principal para 2018 ou mais adiante. A medida reduziria os pagamentos de dívidas em R$ 225 milhões até 2018, segundo o comunicado.
As ações da Gol subiam 24 por cento, para R$ 3,13, às 16h18, em São Paulo. A ação tinha subido menos de 1 por cento neste ano até terça-feira.

Novos títulos

A Gol está pedindo aos detentores de títulos de cinco tranches da dívida, uma delas com vencimento já no ano que vem, que aceitem novos títulos com vencimento em 2018, 2022 e 2028, disse a empresa em comunicado ao mercado, na terça-feira. As novas notas terão garantia e serão seniores em relação a todas as dívidas existentes e futuras da empresa aérea. O desconto para os titulares das notas, que têm até 1º de junho para aceitar a oferta, vai variar de 30 por cento a 70 por cento, disse o diretor financeiro da empresa, Edmar Lopes, a jornalistas.
A Gol mencionou a instabilidade política no Brasil e a retração econômica, junto com a "forte desvalorização" do real em relação ao dólar americano no ano passado, que provocou uma queda nas viagens aéreas. As empresas aéreas foram particularmente atingidas pela demanda fraca dos passageiros executivos, que normalmente geram as tarifas mais lucrativas.
"Estamos oferecendo um cupom que faz sentido para os atuais detentores de títulos", disse Lopes. "Essa é a oferta que cabe dentro do fluxo de caixa da companhia, olhando para o nosso balanço e como a gente pretende desalavancar a companhia para os próximos anos. A gente entende que essa oferta é um passo importante e a gente acredita que ela vai andar pra frente e a gente vai ter um grau de sucesso suficiente para emitir as novas notas e atingir as nossas metas.''
Um acordo com a Boeing revelado anteriormente para adiar a entrega das próximas aeronaves para a partir de meados de 2018 oferecerá algum alívio ao fluxo de caixa da Gol e a empresa pretende usar essa folga na permuta, disse a empresa nesta quarta-feira.

'Absolutamente necessária'

A Gol está respondendo à pior recessão do Brasil em pelo menos um século, em parte, reduzindo o tamanho de sua frota em cerca de 15 por cento até o final do ano. A empresa aérea reduzirá também seus voos e número de assentos em 15 por cento a 18 por cento neste ano.
"Temos tomado todas as medidas e elas são todas absolutamente necessárias para viabilizar a empresa no médio prazo", disse Lopes.
Os titulares das dívidas que aceitarem a permuta até o final do dia 17 de maio terão direito a um prêmio de participação. Embora a Gol busque a aceitação de 95 por cento do valor total de cada série de títulos, a operação poderá avançar com uma participação menor, disse Lopes.
O montante de US$ 325 milhões em títulos da empresa a 8,875 por cento para 2022, títulos mais líquidos denominados em dólares mantidos pela Gol, caiu 42 por cento neste ano e é negociado a 25 centavos de dólar, segundo dados compilados pela Bloomberg. Os yields das notas deram um salto de 18,8 pontos percentuais, para 48,52 por cento.

Prejuízo trimestral

A Gol registrou no quarto trimestre um prejuízo líquido de R$ 1,18 bilhão e deverá divulgar os resultados do primeiro trimestre em 11 de maio.
A D.F. King & Co. foi contratada como agente de informações e de permuta para a oferta. A PJT Partners está atuando como consultora financeira, e a Milbank, Tweed, Hadley & McCloy LLP, como assessora jurídica da Gol.
(Com a colaboração de Paula Sambo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário