sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Lucro líquido da Azul fica em R$ 238,3 mi

A receita líquida, ajustada para o impacto da greve dos caminhoneiros, cresceu 20,5% ante um ano antes, para R$ 2,069 bilhões

companhia aérea Azul registrou um lucro líquido ajustado de R$ 238,3 milhões no segundo trimestre de 2018, revertendo o prejuízo de R$ 38,6 milhões registrado em igual período do ano passado.
O valor desconsidera itens não recorrentes contabilizados no balanço deste trimestre, no valor de R$ 283,3 milhões. Um deles é o impacto operacional da greve dos caminhoneiros no resultado da Azul, que foi de R$ 57 milhões, sendo uma perda de R$ 51,2 milhões em receita e um aumento de R$ 5,8 milhões nas despesas, registradas em outras despesas operacionais.
Já o outro evento não recorrente é a despesa de R$ 226,3 milhões relacionada à venda de seis E-Jets, principalmente devido à diferença não-caixa entre o preço de venda dessas aeronaves e seu valor contábil registrado. O valor também inclui uma provisão para despesas de manutenção que a empresa espera incorrer para devolver os jatos. “Embora tenhamos registrado uma perda contábil associada à venda dos E-Jets, o preço de venda dessas aeronaves foi maior do que a dívida em aberto, resultando em uma geração de caixa”, acrescenta a Azul, em relatório que acompanha o balanço.
Considerando esses itens, a companhia teria reportado um prejuízo líquido de R$ 45,0 milhões no período.
De abril a junho, o Ebitda (lucro operacional antes de juros, impostos, depreciação, amortização e custos com leasing de aeronaves) ajustado somou R$ 521,4 milhões, um crescimento de 10,9% ante igual intervalo de 2017, com margem Ebitdar ajustada de 25,2%, 2,2 pontos porcentuais menor na comparação anual.
Incluídos no cálculo os efeitos não recorrentes do trimestre, o Ebitda teria ficado em R$ 238,1 milhões.
O resultado operacional (Ebit) ajustado atingiu R$ 75,8 milhões, uma queda de 23,3% no comparativo anual. A margem Ebit alcançou 3,7%, queda de 2,1 pontos porcentuais ante o segundo trimestre de 2017 devido à depreciação de 12,2% do real e ao aumento de 20,2% do preço do combustível, diz a Azul.
A receita líquida, ajustada para o impacto da greve dos caminhoneiros, cresceu 20,5% ante um ano antes, para R$ 2,069 bilhões. Esse desempenho reflete, segundo a empresa, o fortalecimento da demanda, o aumento em receitas auxiliares e a expansão de 18,6% de capacidade.
Por fim, a companhia mostrou um ganho financeiro líquido de R$ 65,7 milhões no trimestre, comparado a uma despesa financeira líquida de R$ 158,3 milhões entre abril e junho de 2017.
Fonte: Exame Por Letícia Fucuchima, da Reuters

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

LATAM Airlines anuncia voo direto e inédito entre Porto Alegre e Santiago



O Grupo LATAM Airlines acaba de iniciar as vendas de passagens aéreas para o voo direto e inédito entre Porto Alegre e Santiago (Chile). Os bilhetes já podem ser adquiridos em latam.com e demais canais de venda da companhia, que será a única a oferecer esta operação. 
 
Em 15 de janeiro de 2019, decolará o primeiro voo da companhia na rota, que será operado três vezes por semana. As viagens indiretas entre Porto Alegre e Santiago já contam com grande fluxo de passageiros, que agora poderão voar diretamente entre as duas cidades em uma operação com apenas três horas de duração. 
 
“Porto Alegre-Santiago é mais do que um voo inédito, pois representa também uma opção mais conveniente para o cliente, com economia de até três horas por trecho para os turistas e os passageiros corporativos que já se deslocam entre as duas cidades”, afirma Jerome Cadier, CEO da LATAM Airlines Brasil. “De forma sustentável, estamos reforçando ainda mais o nosso compromisso em oferecer a maior e melhor rede de voos e destinos da América do Sul, para seguirmos como a companhia aérea que mais conecta a nossa região”. 
 
Com a nova operação, o Grupo LATAM Airlines vai oferecer um total de três rotas diretas entre Brasil e Chile. Atualmente, a companhia já transporta diariamente 1.600 passageiros entre os dois países, permitindo rápidas conexões na capital chilena para outros destinos na América do Sul e na Oceania. 
 
Isto é possível porque Santiago é um dos principais hubs (centros de conexão) da LATAM, com voos diretos para outras 124 cidades na América Latina, incluindo as principais metrópoles da região (Buenos Aires, Lima, Bogotá e Quito, por exemplo) e disputados destinos turísticos como Machu Picchu, Torres del Paine, Galápagos, Cartagena das Índias, entre outros. A partir da capital chilena também é possível acessar destinos no Pacífico como Melbourne, Sydney, Auckland, Papeete e Ilha de Páscoa.
 
Programação do voo Porto Alegre-Santiago
 
O novo voo Porto Alegre-Santiago será operado por aeronaves Airbus A320 configuradas com 174 assentos em classe Economy. 
 
Nas terças, quintas e sábados, o voo LA742 está programado para decolar do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, às 21h (hora local) e pousar em Santiago às 23h25 (hora local), em uma viagem com 3 horas e 25 minutos de duração.
 
No sentido inverso, também às terças, quintas e sábados, o voo LA743 está programado para decolar do aeroporto Arturo Merino Benítez, em Santiago, às 16h (hora local) e pousar em Porto Alegre às 20h10 (hora local), em uma viagem com 3 horas e 10 minutos de duração.

Fonte: Latam

terça-feira, 31 de julho de 2018

Legay 500 na feira de Farnborough

Norwegian Air solicita direito de voar para o Brasil

Ampliação de operações na América do Sul: a Norwegian Air solicitou os direitos através de sua subsidiária no Reino Unido (Marcos Brindicci/Reuters)

Oslo – A companhia aérea Norwegian Air solicitou direitos de tráfego no Brasil para possíveis voos de Londres, disse o porta-voz Lasse Sandaker-Nielsen nesta segunda-feira.

“Estamos vendo o Brasil como um mercado muito interessante, especialmente de Londres, onde os preços estão altos e há pouca concorrência, por isso acreditamos que é um mercado com grande potencial”, afirmou.

“Agora cabe às autoridades brasileiras decidirem. Estamos buscando oportunidades para iniciar em 2019”, disse ele, acrescentando que a Norwegian provavelmente oferecerá vários voos por semana.

A Norwegian Air solicitou os direitos através de sua subsidiária no Reino Unido.

Embraer: variação cambial faz posição de dívida líquida ir a R$ 2,7 bi


     Ao final de junho de 2017, a companhia tinha uma posição de dívida líquida de R$ 2,188 bilhões

Embraer encerrou o segundo trimestre deste ano com um caixa total de R$ 12,882 bilhões, o que implica uma posição de dívida líquida de R$ 2,781 bilhões – ou seja, piorando ante a posição de dívida líquida de R$ 2,521 bilhões no primeiro trimestre, principalmente em função da variação cambial do período. Ao final de junho de 2017, a companhia tinha uma posição de dívida líquida de R$ 2,188 bilhões.
O endividamento da Embraer atingiu R$ 15,663 bilhões ao final de junho deste ano, um aumento de R$ 1,747 bilhão (+12,5%) ante o registrado em março. Já no segundo trimestre do ano passado, a dívida da companhia era de R$ 13,934 bilhões.
Ao final do segundo trimestre de 2018, as dívidas de curto prazo somavam R$ 1,392 bilhão, enquanto o endividamento de longo prazo totalizava R$ 14,272 bilhões.
Considerando o perfil da dívida, o prazo médio do endividamento recuou de 5,7 anos no fim de março para 5,6 anos em junho. Nesse mesmo período, a relação do Ebitda nos últimos 12 meses ante as despesas sobre os juros caiu de 2,67 vezes para 1,76 vez.
O custo da dívida em dólar ao final do junho era de 5,26% ao ano, comparado aos 5,22% a.a. ao final de março. Já o custo da dívida em reais subiu de 3,40% a.a. em março para 3,47% a.a.
A fabricante de aeronaves terminou o segundo trimestre com 12% de sua dívida total denominada em reais, ante 14% no encerramento do trimestre passado. A Embraer reforça que a estratégia de alocação de caixa da companhia continua sendo uma das principais ferramentas para a mitigação do risco cambial. Ajustando a alocação do caixa em ativos denominados em reais ou dólares, a empresa tenta neutralizar sua exposição cambial. Ao final de junho deste ano o caixa alocado em ativos denominados em dólares era de 81% (contra 79% no encerramento de março).
Para 2018, cerca de 45% da exposição em real está protegida caso o dólar se desvalorize abaixo de R$ 3,32. “Para taxas de câmbio acima deste nível, a empresa se beneficiará até um limite médio de R$ 3,75 por dólar”, diz a Embraer.
Fonte:Exame

segunda-feira, 30 de julho de 2018

LATAM Airlines confirma que voo São Paulo-Joanesburgo passará a ser operado diariamente




O Grupo LATAM Airlines informa que adicionará duas frequências semanais à operação São Paulo-Joanesburgo, o que permitirá oferecer o voo diariamente entre as duas cidades. Atualmente, São Paulo-Joanesburgo é operado cinco vezes por semana a partir do principal hub (centro de conexões) da LATAM no aeroporto de Guarulhos. Inicialmente, o acréscimo das duas frequências ocorrerá a partir de 5 de abril de 2019, mas é possível que este incremento seja antecipado e anunciado oportunamente pela companhia.
 
A LATAM é a única companhia latino-americana a oferecer voo direto para o continente africano e o novo investimento na rota reforça a relevância da sua operação. Além do turista, também sairá beneficiado o passageiro corporativo, que agora contará com a conveniência de um voo diário para as viagens entre as duas regiões.
 
O incremento também reflete o planejamento estratégico da LATAM para abrir mercados sustentáveis e seguir como a companhia aérea com a melhor conectividade da América Latina. As passagens aéreas para as novas frequências já estão disponíveis em latam.com e demais canais de venda.
 
As novas frequências da rota São Paulo-Joanesburgo
 
No trecho São Paulo-Joanesburgo, a partir do aeroporto de Guarulhos, serão adicionadas novas operações às sextas e domingos, com decolagem sempre às 17h55 (hora local), em um voo com 10 horas e 20 minutos de duração.
 
No sentido inverso (Joanesburgo-Guarulhos), a partir do aeroporto O.R.Tambo, serão adicionadas novas operações às segundas e sábados, com decolagem sempre às 11h35 (hora local), em um voo com 11 horas e 25 minutos de duração.
 
Todas as novas frequências também serão operadas por aeronaves Boeing 767, que acomodam 190 passageiros em classe Economy e  30 em Premium Business.
 
A expansão internacional da LATAM
 
O Grupo LATAM Airlines segue fortalecendo a sua rede de destinos internacionais. Somente em 2017, foram inauguradas 13 novas rotas internacionais. Para 2018, a companhia já anunciou 17 novas rotas internacionais e, a partir do Brasil, estreou voos como Brasília-Punta Cana (janeiro), São Paulo-Roma (março), São Paulo-Mendoza (março), Salvador-Miami (abril), São Paulo-Las Vegas (junho), São Paulo-Tucumán (junho), Fortaleza-Orlando (julho) e São Paulo-Boston (julho).
 
Os próximos novos destinos já confirmados para 2018 são Lisboa (estreia em setembro) e Tel Aviv (estreia em dezembro). A companhia também anunciou a intenção de voar para Munique (voo ainda pendente de aprovação das autoridades).
 
Com o lançamento das novas rotas, o Grupo LATAM Airlines vai oferecer voos para 143 destinos em 26 países, seguindo como a companhia aérea da América do Sul que mais conecta a sua região com outras partes do mundo.

fonte:LATAM Airlines Brasil
Relações com a imprensa

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Copa Airlines inaugura rota que liga Salvador a 78 destinos via Panamá

Cidade do Panamá – A companhia aérea panamenha Copa Airlines inaugurou nesta terça-feira (24) a rota que liga Salvador à Cidade do Panamá, capital do país.
Inicialmente, serão dois voos por semana entre as cidades – às terças e às sexta-feiras. Os aviões utilizados serão Boeings 737-800, com capacidade para 160 passageiros.
O vice-presidente de Vendas da Copa Airlines, Cristophe Didier, indicou que, com a nova rota, a empresa passa a voar para nove destinos no Brasil. São 13 voos diários, o segundo maior número entre as companhias estrangeiras que operam no país.
Didier ainda afirmou que Salvador é uma cidade mundialmente conhecida por seu Carnaval, pela vida noturna, pelas praias e pelo rico patrimônio cultural.
O ministro de Comércio e Indústria do Panamá, Augusto Arosemena, disse que a conexão ajudará a ampliar a competitividade e consolidar o país como um “hub logístico” e um centro turístico.
Participaram do evento diretores da companhia aérea, representantes da embaixada do Brasil na capital do país e da Autoridade de Turismo do Panamá.
De acordo com dados da administração do Aeroporto Internacional de Tucumán, 448 mil pessoas que passaram pelo “hub” viajaram para destinos brasileiros, entre eles Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Recife.
A Copa Airlines atualmente oferece voos para 78 destinos em 32 países do continente americano e também do Caribe.
Fonte: EXAME

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Boeing vence disputa de encomendas em feira de aviação britânica

Maior fabricante de aviões do mundo afirmou que obteve 528 encomendas e compromissos de compra em Farnborough, enquanto Airbus registrou 431 pedidos



Boeing venceu a briga por encomendas na feira britânica de aviação de Farnborough, superando a Airbus. Ambas as empresas repetiram resultado do ano passado, com pedidos de cerca de 900 aeronaves, apoiadas pela indústria de leasing.
A maior fabricante de aviões do mundo afirmou que obteve 528 encomendas e compromissos de compra em Farnborough, enquanto a Airbus registrou 431 pedidos.
Mas a conta foi ofuscada por cerca de 400 encomendas que não tiveram o nome dos compradores revelados, algo incomum em um evento projetado para atrair publicidade.
A Airbus responsabilizou o sigilo em torno do nome dos compradores à guerra comercial que deixou algumas companhias nervosas sobre terem suas marcas associadas aos Estados Unidos ou a outras potências econômicas.
“O fato de que o mundo está acordando para ver qual tuíte atingiu que parte do mundo realmente não ajuda”, disse o diretor comercial da Airbus, Eric Schulz, em uma aparente referência ao presidente dos EUA, Donald Trump, que frequentemente usa o Twitter para fazer anúncios sobre suas políticas de governo.
Uma das companhias aéreas que frequentemente têm destaque em eventos de aviação foi a AirAsia, que atravessa forte expansão e cujos co-fundadores anunciaram um pedido adicional à Airbus envolvendo 34 A330neo, expandindo a encomenda total para 100 unidades. Mas não sem ameaçarem antes trocar parte da encomenda total por modelos da Boeing.
A feira também foi um teste para outros fabricantes de aviões que estão sendo engolidos por Airbus e Boeing. A Airbus recentemente completou a compra do programa da aeronave CSeries, da canadense Bombardier, e a Boeing tenta avançar na compra da principal divisão da Embraer.
A Airbus vendeu 60 jatos A220, novo nome do CSeries, e a Embraer conseguiu pedidos e intenções de compra envolvendo 300 jatos, em um total de 15 bilhões de dólares.
fonte: Reuters

Embraer Air Show